domingo, maio 27, 2018

Art

I could not imagine a work of art that would prompt a person to do something bad. There can be no talk of art in relation to films like 'The Exterminator'. 

My purpose as far as possible is to make films that will help people to live, even if they sometimes cause unhappiness— and I don't mean the sort of tears that 'Kramer vs. Kramer' produces.

Perhaps you have noticed that the more pointless people's tears during a film, the more profound the reason for those tears.

I am not talking about sentimentality, but about how art can reach to the depths of the human soul and leave man defenseless against good.

 —Andrei Tarkovsky.

segunda-feira, maio 21, 2018

Squalor


squalor

[skwol-er, skwaw-ler]

noun

  1. the condition of being squalid; filth and misery.


Origin of squalor

1615–25; < Latin squālor dirtiness, equivalent to squāl(ēre) to be dirty, encrusted + -or -or1

Synonyms

wretchedness


Antonyms

splendor.

The problem of Rent:
Rent has three characteristics differentiating it from other forms of expenditure:
(i) Rent varies markedly from one part of the country to another,
(ii) Rent varies markedly as between different families of the same size in the same part of the country,
(iii) Expenditure on rent cannot be reduced during a temporary interruption of earning as that on clothing, fuel or light can.

Sir William Beveridge, Social Insurance 
and Allied Services Report



Excerto de The New Poverty, de Stephen Armstrong. Verso
Chapter 6: Squalor, pp. 127-132

"That afternoon I visited the city’s wet centre: a day hostel that allows homeless people to walk in drunk or on drugs. As I arrived, staff were struggling to help a man suffering from the violent hallucinations and sweeping emotional changes brought on by the synthetic cannabinoid Black Mamba. He was howling, his body shaking and his eyes blank. ‘It’s cheap and it’s strong,’ Hiley explains. ‘It’s sweeping through prisons and the homeless and the effects are brutal. People are using it to find oblivion.’ Back in the main building – a walk-in and advice centre in a spruced up old school – I met Jas Singh, one of Inclusion’s regulars and a local lad. He’s fresh-faced and handsome – he looks a little like Stone Roses singer Ian Brown, right down to his jagged mop-top hair – but he totters into the room on crutches with his foot strapped up in a large webbing-and-plastic sandal. Singh studied art at St Martins and graduated in 2012, moving to Kingston upon Thames where a friend secured him a protection-by-occupation residency in a large empty house. He was on the verge of the next stage in his life – interning with an art dealer on Pimlico Road. ‘It was unpaid but I’d get fed and into all the art exhibitions for free, and some champagne parties,’ he grins. ‘I started to meet a few people – like Terry O’Neill, the photographer, and I was starting to put my own work together … mainly sound installations.’ And then, running up the stairs at the art dealer’s house in 2014, Jas slipped and whacked his leg on the corner of a stair and damaged his peroneal nerve, which provides feeling to the front and side of the legs and the top of the feet. A damaged peroneal nerve causes a condition known as foot drop, where the muscles that hold the foot in place stop working and the patient’s foot effectively dangles uselessly at the end of their leg. He couldn’t walk without crutches and couldn’t keep working with the art dealer. When the house he was legally squatting finally got sold, he was out – just as his dad phoned to tell him his mum was ill, asking him to come back to Leicester to help out. ‘So I came back for a while,’ he explains. ‘I was here for about six months when, ironically, I was giving a homeless person a few bits of change and got mugged, whacked on the back of my head – I was knocked out, unconscious for a while. I’m still not clear on everything that happened after that. Apparently I discharged myself and went back to my family with my head still bleeding. We had a huge row – I can’t remember what about … I was drinking at that time though I’m sober now. But the atmosphere was tense.’ Mood swings, anger and tears are textbook behaviours after a head injury – although Singh blames long-running family tension for the rows that simmered at home. After two weeks, he slipped on the stairs again and fractured the same foot. An ambulance took him to hospital and his last words to his dad were – ‘I’ll call you as soon as I’m done.’ After his foot was treated, he stood outside Leicester General Hospital waiting for his dad when he got a tap on his shoulder. ‘It’s two police and it’s like – are you Mr Singh?’ he recalls, shaking his head. ‘I’m thinking – why are the police asking if I’m Mr Singh?’ He pauses for a moment and looks away, then back. ‘And I get arrested by the police – they say they’ve a restraining order because of my aggression at my dad’s house … and I’m kind of baffled because I just had a conversation with my dad and I thought he was coming to pick me up … but it turns out suddenly I’m homeless.’ After a night at Euston Police Station, a squad car dropped him off at the Dawn Centre, Leicester’s last remaining homeless hostel – the council has closed three other hostels in the past few years, offering supported accommodation instead but effectively reducing the number of beds available to rough sleepers. Still a little dazed – and with a few belongings in a plastic bag – he was hoping to get to a bed early to rest and recover a little. But the Dawn Centre was full and the hotels he could walk to only had rooms for £70 a night, so he went to an off-licence, bought a few cans of Kronenberg and slipped into a hotel car park where he lay down behind a parked van – ‘and drank and drank and tried to sleep,’ he shivers. ‘It was February and I was freezing so I thought I’d knock myself out with alcohol. But when you try and sleep outside, you think you’ve slept and then you look at your phone and it’s been three minutes.’He was so exhausted and dirty he thought he couldn’t do another night like that so he booked in to the hotel using his bank card to guarantee the room. He had a shower and got his head down for a couple of hours. When he woke, his phone battery was running low, he had no money and everything he owned was at his parents’ house. He walked on his crutches over to Leicester City Council housing office, where they said he wasn’t eligible for help as his parents’ house, his last address, stands just outside the city limits in Leicestershire. He managed to get an appointment with Oadby and Wigston Borough Council on the same day, got to the bus stop and realised he just had a few coppers and a little bit of change. He showed the bus driver all he had, and told him where he was going. The driver just took a few of the coppers and let him on, which still brings tears to his eyes when he tells the story. At Oadby and Wigston, a housing officer called Heidi hunted out a bed at the Action Homeless hostel, run by a local charityin the city centre. She lent him £3 to get the bus, he made it to Victoria Park and was given a bed on the first floor of a brick townhouse. He made friends sharing tobacco and Rizla – ‘it was like school or a prison’, he says. ‘I hadn’t got my own cup so they wouldn’t give me tea. People were kicking off over dinner and I almost wished I was outside again, instead of having to climb the stairs to get to my room with the noise of someone kicking off every half an hour.’They moved him around a couple of times. First into shared accommodation and finally into a single room in a quieter house. The bureaucracy of the homeless system proved endlessly baffling. One advisor told him he wasn’t entitled to housing in Leicester because his family lived outside, but if he filled out a form saying he was estranged from his family that would see him clear. So he did that and got a letter back saying he wasn’t eligible because he had no local connections. He’d have to wait in limbo for two years before he became a resident of Leicester.‘It’s crazy,’ he explains. ‘There’s housing I can get for £385 per month, and the council is paying my hostel over £780 for a single room with a shared kitchen. On top of that, I pay the hostel £104 a month, so they’re clearing £900 per month. Every now and then, someone says they may force me back to London, because I have connections there. But how am I going to get on a waiting list in Kingston upon Thames of all places?’He was sleeping badly, and hugely sensitive to noise and light, which eventually drove him to Inclusion looking for something to help. There he met a Dr Maxwell, who talked to him for half an hour and was shocked that he’d not been treated for his head injury. She helped sort out some medication, got the in-house physiotherapist to look at his leg and wrote a few letters to Action Homeless explaining his illness and asking that he be moved to a less noisy building. She also connected him with Headway, a charity dealing with people with head injuries, who secured him an assessment for the Employment and Support Allowance – the benefit paid to disabled people. Initially the interview was scheduled in Nottingham. ‘I told them I had problems with my leg and I suffer from anxiety,’ he shrugs. ‘Does it make sense to send me to Nottingham? And because I’m band four – as in, I’m not drinking or doing drugs – I’m a long way down the list for any better accommodation. So if I get myself an "addiction I’d get housed. I’d be better off if I started taking drugs.’The days pass slowly, he says – he’s got a scrapbook and tries doodling and sketching in it. He’s got a few ideas but they don’t quite come out right. And he’s started to help out at a homeless charity Open Hands.‘They’re all charities aren’t they? It’s funny that. The thing is – it can happen to anyone. I see people buying all these lottery tickets and it’s like – you’ve got more chance of being homeless than winning the lottery you know? I was working towards an okay life before – interning and organising exhibitions in Pimlico and Chelsea. Now everything’s stripped away. Some people do help out – but most people think I don’t look homeless enough.’





quinta-feira, abril 12, 2018

O Pescador

Por entre um mar de palavras
caneta de pesca lançada.
O pescador faminto rabisca o peixe
que não passa de um torto poema.


domingo, março 25, 2018

No Taxation Without representation


  • Cada vez mais me convenço de que há pessoas que não sabem interpretar o significado de "Fiscal" dito em Inglês. Confunde-se Orçamento com imposto. "Fiscal Austerity", significa controlo Orçamental e não tem nada a ver com Fisco, Impostos ou taxas. Claro que uma coisa está relacionada com a outra mas, em Inglês existe também o termo "Taxation", quando se pretende falar de impostos. Há aquela famosa frase: "no taxation without representation" que levou a uma revolução. Depois temos que recordar um senhor deputado que três legislaturas atrás, pedia um choque fiscal como terapia para a economia. Falava em revolução nas taxas de impostos, IRS, IRC, etc. Citava estudos em que o termo utilizado era "Fiscal Shock", significando alterações na composição do Orçamento, ou seja, uma modificação estrutural na forma de administrar o país. A sua cegueira ideológica, lembremo-nos que corriam os anos da cavalgada dos neo-liberais, pela Europa e EUA, que levou entre outras coisas à intervenção no Iraque, dias após a fotografia dos Açores que tanto nos deve envergonhar, como Povo. Era a época da desregulamentação da economia que levou ao Caos financeiro e económico começado em 2008. Parece que hoje, passados quase oito anos, alguém devia aprender um pouco mais de Inglês, já para não dizer de Política, a alguns deputados que pretendem jogar na arena dos tubarões. É que quando se sai, por Badajóz, Vilar Formoso, Portela ou Sá Carneiro, da Lusitânia, deixa-se imediatamente de falar Português e adopta-se a Língua dos Tubarões. Agora, não esquecer: Fiscal Shock means Investment and Public Policies that favor growth. Tax Policies means "get away from my money" or " Give me your money, now!

quinta-feira, março 22, 2018

The final Countdown

I started on the 22nd of March a countdown until get me unplugged from Facebook. My last Post was an answer to the Facebook question of "what is on" my "Mind". My answer was to announce that from today on or maybe from on three days on I will start that countdown. And to finish I simply started at 10...

...


The first to go down was the following of all the media channels that are normally my sources. The New York Times Facebook page, Reuters, The Atlantic, SIC Notícias, ...then came The Guardian,..., ZDF Heute, CBS news, CNN International, The New Yorker, Quartz, ARD, The Telegraph,

...
for 30 days, I snoozed IHeartBerlin.de, another one that snoozed is gone from my mind. I guess it wont be such a big lost.

O Globo, from Brazil is offering me to watch the habeas corpus judgment of Lula da Silva, guess what is happening to them...


Facebook says that at this precise moment I have 395 friends. That in almost 46 years of being alive. Gladly for me there are so much more people on this earth that I know and don´t have an account.


quarta-feira, março 21, 2018


 A direção-executiva do Fundo Monetário Internacional (FMI) classificou o programa europeu para resgatar Chipe de “irrealista e excessivamente otimista”, noticia hoje o semanário alemão “Der Spiegel”.
Na sua edição de hoje, com base em documentos
internos do FMI, o semanário revela que os 24 diretores-executivos da instituição multilateral, em particular os que representam os países em vias de desenvolvimento, criticaram o plano europeu de ajuda financeira a Nicósia na sua última reunião de mediadores que se realizou em maio.
“Todo o programa precisa de um pouco mais de otimismo, embora a dose esteja muito acima da média", disse ao semanário o representante brasileiro.
Outro dos elementos da América Latina na direção-executiva do FMI considerou o programa “demasiado otimista” e disse esperar que Chipre possa vir ter um crescimento positivo em 2015, como prevê o programa de resgate.
Por sua vez, o representante da Austrália manifestou “dúvidas” de que o programa pudesse ser posto em prática com êxito e advertiu para o facto de terem de ser feitas "alterações" a cada meio ano ou mesmo três meses.
Por último, o membro da direção-executiva para a Arábia Saudita acusou a Europa de conhecer a "delicada situação em Chipre”, desde há bastante tempo e “não ter atacado” os problemas antes destes se agudizarem.

"Palhaço"

M.S.T. falou sobre um "Palhaço" em Belém?
E depois?
Arrependeu-se?
Também eu.

Ending the American Romance



"Time to rethink, for sure. But not to surrender."
o empreendedor

de jovem pastor de cabras a aspirante a golfista no belas clube de campo.

a realidade é necessariamente outra.


esquemas do empreendedor para vencer.

a moral do empreendedor.

o que cabe na realidade do empreen.

o jovem liberal defensor do privado

dois tipos de empreendedores.

há o pastor de cabras e depois há o jovem trump.
aquele que começa com o pequeno empréstimo do papá.

o alvo é a afirmação: os portugueses estão pior mas o país está muito melhor.

que maior elogio ao modelo chines.



A china é o melhor exemplo da cristalização desta ideia. O país está muito melhor mas para lá chegar foram atropelados os direitos fundamentais de muitos cidadãos. O bem comum é uma máquina de terraplanagem. Nada se pode interpor que resista a ficar tão fino como a camada de poeira.

"Vivemos sufocados pelo presente." diz Ana Cristina Leonardo, in Expresso, 12/11/2016.



um amigo confunde ou pretende confundir ou deixa-se confundir face à diferenca entre populismo demagógico xenófobo e chauvinista e, do outro lado, o que recuso à partida, demagogia da esquerda radical.

Compreendo o meu amigo. É pai, tem uma vida estável e é avesso a qualquer alteração do estado de coisas.

Da Legitimidade


le·gi·ti·mi·da·de 

substantivo feminino

1. Qualidade ou carácter de legítimo.

2. Legalidadegenuinidade.

3. Direito à sucessão hereditária.

4. Direito que assistejustiçaconformidade com a razão.

5. Partido dos legitimistas.


Palavras relacionadas:
.



"legitimidade", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
 [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/legitimidade [consultado em 28-01-2017].


Legítimo

Legal

Genuíno

Direito à sucessão hereditária

Direito que assiste.

Justiça

Conformidade com a razão

Partido dos Legitimistas.



Papá, quem é Dilma Roussef?

O melhor a deixar para o futuro é o que possamos escrever sobre o hoje. O presente.

Por exemplo, eu posso escrever um livro dirigido à minha filha ao tentar responder às suas perguntas.
E que perguntas vão ser essas? Não sei. Mas posso tentar preparar-me para elas. Como é que eu lhe posso responder se ela me perguntar:
- "O que é...?",
- Ou então, se a pergunta for - Papá, quem é Dilma Roussef? - Ao que eu provavelmente responderia, perguntando-me em vós alta quem era Dilma Roussef? -Quem é  Dilma Roussef, então filha, Dilma Roussef é uma senhora, que nasceu no Brasil, e que até já foi Presidente. Pior seria se a seguir ela me perguntasse, por que razão eu dizia "que até já foi". Mas poderia apenas perguntar se a senhora já era velha? Não me parece que eu lhe fosse responder, que era uma mulher, que nasceu num país chamado Brasil antiga presidente da república. Pelo menos, se a encontrasse ou se me a apresentassem, estou certo que iria dirigir-me a ela com - "Senhora Dilma! Olá senhora Dilma" - ou então -"Prazer, senhora Dilma". Portanto, parece-me bem que a minha resposta seria essa. Que é uma senhora que nasceu no Brasil, que até já foi presidente.
- "Foi", continuaria eu, - "tenho quase a certeza, a primeira mulher a ser presidente nesse país. No Brasil. Foi presidente depois de Lula da Silva. Eram ambos do PT, partido dos trabalhadores.

 nascidaDilma Vana Rousseff is a Brazilian economist and politician who was the 36th President of Brazil from 2011 until her impeachment and removal from office on 31 August 2016, becoming the first ... Wikipedia

O Big Boom de Margareth Thatcher


To me, consensus seems to be
the process of abandoning all beliefs, principles, values and policies.
So it is something in which no one believes and to which no one objects.

Margaret Thatcher

Margareth Tatcher tinha 20 anos quando a Guerra acabou. Nascida em  Grantham, uma localidade de 34.592 habitantes no condado de Lincolnshire, 42 km ao sul da cidade de Lincoln e aproximadamente 39 km a leste de Nottingham, alguma coisa esta terra poderá ter para nos dizer acerca da pessoa.

Em 2004 o condado era considerada uma região pobre. Em relação a um valor médio na União Europeia igual a cem, Lincolnshire apresentava um valor de noventa e três e meio, (93,5). Era por isso (como fatalmente ainda hoje será) uma pobre região, como que uma ilha. Apenas por comparação, o valor apresentado pela região onde nasceu uma dama de ferro tinha em 2004 uma riqueza igual à das Canárias ou da Região Autónoma da Madeira. Penso que o nível de riqueza seja o único ponto de contacto. Não consta que o Sol radie entre Lincoln e Nottingham como na região semi-tropical em que se encontram os arquipélagos atlânticos. A costa de África fica próxima e o mar é profundo.

A produtividade dos Lincolnshirenses era considerada uma região pouco produtiva em termos da nação Reino Unido da Grã Bretanha e Irlanda do Norte e a perspectiva de crescimento económico era reduzido segundo os melhores pactuados critérios económicos e financeiros conhecidos à data da saída de cena da dama de ferro. Desde 1979 até aos dias do ano de 1990, foi longa a sua passagem pelo poder, e marcante o seu legado político. Entre eles recordo-me de um acontecimento retumbante com ecos no presente.

A taxa de desemprego de longa duração estava, para 2005, estimada em 25%, bastante acima da taxa de desemprego total, a rondar os três por cento. Algo no passado terá deixado a região parada no tempo, que é sempre um tempo de angustia, o do desemprego. Estando um quarto dos seus conterrâneos condenados ao paro forçado, uma região pode tornar-se depressiva e deprimida. A menos que algum palhaço por lá passasse.

Por falta de verdadeiro divertimento, os jovens tinham abandonado, em boa parte, a região, que outra parte foi mesmo o terem deixado de lá nascer crianças. Era assim uma terra envelhecida, mais do que o habitual para as terras britânicas. Em 2005, ou seja, cerca de vinte cinco anos depois de Thatcher deixar o poder, a região contava com os piores indicadores sociais relativos a Educação Superior, tendo no entanto valores melhores do que a vizinhança relativos a educação de nível médio. Tendencialmente, mais pessoas completavam os níveis elementares de educação.

Alguns dos indicadores da estratégia de Lisboa aqui apresentados revelam a posição relativa da região onde a dama de ferro nasceu. Referem-se os valores a alturas de 2004 e, ou 2005. Vinte e cinco anos depois de ter chegado ao poder e quinze primaveras depois de o deixar. Toda a pessoa a quem as circunstancias da vida colocam numa posição de poder por tanto tempo, devem ao menos ambicionar a que no futuro a sua memória seja de boa circunstancia para os que viverem depois.

Alguém já disse que uma pessoa é sempre fruto das suas circunstancias e também das suas circundancias. O ambiente que nos rodeia quando crianças é por certo marcante, pelas boas e pelas menos felizes razões, para sempre e acima de tudo no futuro, que se espera distante, da longa velhice a que todos devem poder aspirar.

Um fraco político será sempre esquecido ao passo que um político de má memória ter-lhe-à sempre associados os seus erros. Os resultados e a sua avaliação serão sempre melhor feitos com mais tempo para a análise.

domingo, fevereiro 18, 2018

O mais óbvio

Rui Rio estende a mão ao Partido Socialista como estratégia política. A descentralização administrativa do país é a área de Política eleita. Tem uma estratégia aparentemente bem elaborada. Identifica os grupos de pressão com potencial de serem conquistados como por exemplo os professores, os idosos ou as populações do interior do país. Estes fazem parte do eleitorado mais volátil e com maior tendência a mudar de voto em futuras eleições legislativas sendo por isso de prever uma concentração neste alargado grupo do eleitorado.

 Para isso iremos assistir a estratégias de comunicação com apoio declarado de alguns órgãos de comunicação social mais tradicionais passando ainda essa permanente campanha pelas chamadas redes sociais. Sendo todos eles grupos transversais na sociedade, em termos etários, de níveis de riqueza ou em termos territoriais são também os menos acantonados a um partido político e por isso os mais prováveis aliados na sua luta diária contra o Governo.

 Tanto na resposta ao tema do dia-a-dia, como nas discussões políticas de maior relevo e de fundo que se podem esperar no tempo que antecede o fim da legislatura terá sempre esse eleitorado em linha de conta ao nível do discurso. Ao lançar as pontes para o diálogo com o partido socialista está também a provocar a possível degradação na coligação parlamentar e política que suporta o Governo de António Costa. São duas condições necessárias e não suficientes. Se por um lado precisa de combater a manutenção da coligação das esquerdas, precisa também de ganhar votos e eles só podem vir dos descontentes ou dos menos beneficiados pelo governo.

 Os sindicatos representam grupos profissionais e de interesses, legítimos, que não se sobrepõem completamente ao conjunto por eles gerado. A luta sindical será, assim, sempre por Rui Rio aproveitada para ganhar votos. São os votos do que classicamente se apelida por classe média e esse chavão é ainda um objectivo de muitos mesmo não se sabendo muito bem o que isso hoje representa.  Os profissionais poderão esperar aquilo que o PCP conseguir obter do governo e o Partido Comunista ver-se-á no dilema de reforçar o PSD ao querer obter mais direitos para os professores. Fariam bem o Governo e o Partido Socialista em antecipar a luta dos sindicatos e em conseguir o quanto antes um acordo de longo prazo que pacifique o sector alcançado dentro da coligação das esquerdas e seguindo a fórmula utilizada até aqui no Parlamento.

 Por outro lado temos os idosos quer sejam estes  reformados ou pensionistas. Os reformados tenderão a estar mais próximos de Rui Rio sempre que este levantar as questões dos cuidados de que esperam ou mencionar o interior e a desertificação do território ou as agora apelidadas falhas do Estado. Tem na pessoa de Morais Sarmento um forte apoiante e executante semanal. Nem é este o eleitorado tradicional da esquerda, se exceptuarmos o Alentejo e o distrito de Setúbal, nem é aquele que pode esperar do Governo maiores benesses. Aqui terá aliás Rui Rio, no Presidente da República, um forte aliado por tudo o que ele sempre representou e pelo que entretanto ganhou como capital político. Marcelo Rebelo de Sousa, para além de ter sido Presidente do PSD é reconhecido como alguém próximo do interior e do povo que mais sofreu com os incêndios, sendo por isso sempre uma voz com peso naquela faixa do eleitorado.

 Em parte sobrepostos, os idosos e a população do interior, não são dois conjuntos absolutamente coincidentes. A população idosa dos grandes centros urbanos, na sua maioria reformados ou detentores de algum complemento social, são ou ex-trabalhadores dos serviços ou ex-funcionários públicos de uma época em que Rui Rio esteve activo politicamente e poderão de si guardar uma imagem de pessoa séria. A sua linguagem política é bem directa e simples. Também aqui não é de esperar uma maior representatividade da esquerda tradicional e é sabido que uma grande deslocação de eleitorado da direita para a esquerda se concentrou neste grupo etário. Pode assim recuperá-lo caso o Governo e o Partido Socialista nada tiverem para lhes oferecer. São também aquele com uma voz menos regular e activa no espaço da comunicação política e social. Estão mais excluídos informaticamente e apresentam menores níveis de escolaridade.

 Rui Rio aparecerá sempre nestes meios e estará sempre a ganhar votos enquanto que António Costa pouco tem para apresentar como resultados dado tratar-se de problemas estruturais e alguns já sem volta a dar. Pouco ou nada melhorará o nível de escolaridade dessa população e, no fim da vida, para que precisarão os idosos de redes sociais que não seja para ver os familiares que partiram nos anos de crise? O nível de rendimentos pouco mudará e pouco mais será ambicionado. Este é pois o tema mais subjectivo e com maior carga simbólica na luta pelo poder. Aquele portanto mais sujeito a elevadas cargas de demagogia.

 A descentralização administrativa do país e o debate que se desenvolverá terá facilmente o interior do país como exemplo fácil mesmo que cerca de 70 por cento da população resida em grandes centros urbanos e no chamado litoral. São sabidas as posições dos dois líderes desde o tempo em que ambos eram autarcas nas duas mais importantes cidades portuguesas, nas mais influentes e nas mais representadas politicamente, por paradoxo. Não me demovo tão depressa da ideia dos caciques que esperam a regionalização para tomar o poder em nome do povo e o exercerem principalmente em benefício partidário ou pessoal.

 Ainda decorrerá bastante tempo até que as regiões sejam culturalmente assimiladas como unidades de desenvolvimento independentes quer nas estratégias quer nos resultados ambicionados e alcançados. Só com esse algo diferenciador é que se criará a identidade regional que de todo falta em Portugal. Não que um beirão não se identifique como tal ou que um algarvio ou alentejano não considere essa a sua identidade regional mas não há uma cultura de competição entre regiões. Os dados estatísticos são apresentados agregadamente para o país, muito pouco reflectidos em termos municipais e tendo em conta as unidades estatísticas que contam em termos europeus, as NUTS II, pouco daí se pode esperar. Quando se fala de Norte, Centro ou grande Lisboa como as regiões que de facto existem e das comissões de coordenação regional, está-se a andar no caminho contrário ao da formação da identidade regional que a descentralização precisará para ter sucesso. O Norte é demasiado diverso, o centro demasiado alargado geograficamente e a grande Lisboa muito pouco atractiva como referência a todos os que não residem na capital e que até aqui muito lutaram pela diferenciação identitária.


domingo, outubro 29, 2017

O Puxão


Quando puxam para baixo, não deixa que o levem.
Depois, sofre pela sua fraqueza.
Não pelo puxão.

Quando o puxarem para baixo,
Quer resistir a ser puxado.
Deve resistir ao puxão.

Não puxando em sentido contrário,
Respondendo sim com a razão.

Coloca assim o coração em baixo
E em cima a Razão.

Difícil será modelar força de razão
maior ou igual à intensidade do puxão.

Aplica-se a qualquer troca de comentários.

luz para o passado





Cada nova ideia, novo pensamento, cada nova forma de ver é como um foco de luz que se lança para o passado, estando ele no presente e nas proximidades do futuro.

A imagem de uma pessoa rodeada de traços e raios de luz nos limites da sua sombra, em grande velocidade e a apontar na direção do futuro é aquela que me ocorre.

Para trás lança a sua luz. Para o passado.

Aprender é aprender o passado. Se aprendemos é por que já foi pensado e exposto à controvérsia e ao debate. Não interessa tanto a ideia ser nova mas sim se suscita o debate acerca de si. Apenas de si e nunca da pessoa. Fazer, produzir algo é dar volume ao futuro ou lançá-lo numa nova, adicional direção.

A validade da ideia é sempre apreciada no futuro.

O Progresso ou a sua ideia não pode deixar de ser constantemente avaliada. Não como força de atrito ou de bloqueio ao seu desenrolar, mas de uma forma crítica sobre o seu valor hoje, de hoje e de futuro.

Olhando muito de perto podemos perder a noção mais alargada do tempo em que os progressos de ontem se encontram em cacos e pisados como folhas de outono.

Pouca ou coisa nenhuma se pode dizer que veio para ficar.

Os regressos a práticas do passado com roupagens de ultra progressista podem não ser mais do que derrotas atuais de conquistas passadas.

Era comum pensar que trabalhar a um sábado tinha sido genericamente abolido.

Ou vivemos tempos de excecionalidade e o percebemos racionalmente ou teremos de assumir o progresso como uma derrota.

Direitos Humanos, direitos laborais, direitos civis podem deixar de o ser se por eles não lutarmos.

Nada é adquirido, pelo contrário tudo é, neste tempo, de uma enorme efemeridade.

sexta-feira, outubro 28, 2016

Perigos de contágio ou a amargura de Wolfgang Schäuble



A União Europeia é vendida como um projeto de paz e, de facto, tem-no sido na medida em que quase conseguiu acabar com a guerra civil com que nos entretemos de quando em vez.

Uma consequência da cordial convivência entre chefes de Estado e membros de Governo com regularidade bastante elevada é que se tratem uns aos outros já quase pelo nome próprio. Essa proximidade e o facto de em algumas ocasiões até lutarem por objectivos comuns leva a dissipar os antagonismos do passado, colocou algumas querelas na esfera da politiquice de nível europeu, o que por sua vez, ocasiona alguns perigos de contágio de uma esfera para a outra; da europeia para a nacional e vice-versa.

Temos assistido a várias ataques de foice, por parte de Wolfgang Schäuble e na forma de comentários públicos nada pertinentes, em seara lusitana. Parece já um vício do ministro mas também denota alguma preocupação quanto ao seu legado político. Schäuble antevê o seu fim como poderoso ministro federal das finanças alemão e talvez gostasse de ser recordado por algo de positivo, num futuro nada distante.

Digamos que o actual rumo político levado a cabo pela coligação parlamentar que apoia o governo de António Costa, contrário aos seus desejos, tem a capacidade de influenciar outras soluções governativas de incidência parlamentar, isto é, tem elevado poder de contágio, até em terras germânicas.

Não nos esqueçamos que uma coligação Rot-Rot-Grün (vermelho-vermelho-verde), ou seja SPD-Die Linke-Die Grünen, tem a capacidade de ser viável já amanhã, colocando, por exemplo, o actual vice-chanceler, Sigmar Gabriel na cadeira de Merkel.

Talvez ainda mais do que querer fazer vingar a T.I.N.A., Wolfgang Schäuble abomine aquela possibilidade. A maturidade democrática de parte do povo alemão era bem capaz de aceitar tal solução, que de resto está prestes a entrar em vigor no estado de Berlim.

Há quem se esqueça de que afinal todos eles são políticos que lutam pela sua sobrevivência ou manutenção no poder. São políticos, com maiores ou menores convicções ideológicas, presos sobretudo aos seus problemas internos, isto é, nacionais e respondem apenas perante o seu eleitorado.

Se não é esta uma boa razão para desejar menos intergovernamentalismo e mais federalismo então não sei que outra o seja.

domingo, outubro 18, 2015

Idade maior na Política?

Aproxima-se o dia da primeira decisão presidencial, subsequente às eleições de 4 de Outubro. Poderá ser a sua última decisão relevante para a História da política portuguesa, ou a penúltima. Ou seja, estamos quase a saber quem vai formar Governo e com que estabilidade e grau de consenso.


A razão das eleições legislativas no quadro constitucional de uma Democracia Representativa é: eleger o órgão Legislativo, aquele que vota e aprova as Leis.


Essa votação ficará a cargo dos Deputados, representantes dos eleitores, que falam e agem em nome do povo, de acordo com a organização em facções partidárias.



Figura 1 – Distribuição de Deputados pelas facções partidárias.


A votação apurada converteu-se na distribuição de Deputados representada na figura 1. O significado do número de votos de cada força partidária, da abstenção, dos brancos ou nulos, deste ou daquele círculo são pouco relevantes para a questão em causa. Os números acima são os que têm agora relevância.


Existirão no Parlamento sete diferentes Partidos que se organizarão em seis grupos parlamentares e em duas, três ou quatro facções políticas. O PAN ao eleger apenas um Deputado não formará grupo parlamentar. As facções políticas poderão vir a ser: direita e esquerda; direita, PS e esquerda; e por último direita, PS, Bloco e CDU.

Em qualquer dos casos, o deputado do PAN não alterará por si só as contas. Fora do quadro das facções qualquer acordo é possível, em teoria.

Algumas consequências deste novo alinhamento são:

I.            A coligação de direita, PAF, só o é enquanto dela emanar o Governo. Caso contrário, o PSD e o PP terão bancadas parlamentares independentes uma da outra. Mas, para que aquilo aconteça precisam do apoio do PS. Ou seja, a relevância do PP está nas mãos do PS.

II.            O PS de António Costa poderá formar Governo com o apoio da direita, só do PSD, ou com apoio da restante esquerda. Tem portanto mais hipóteses, todas legitimas, de ser Governo.

 

                       



O PSD só tem uma solução para ser Governo que é convidar o PS para fazer parte desse mesmo Governo (cenários Y e Z nas figuras, diferentes entre si mas iguais na substância já que a presença do PP é acessória). É a solução madura, alemã, que visa garantir a estabilidade governativa. A falta desse convite expresso justifica a dureza na posição negocial do PS. Se pode ser Governo com a esquerda por que razão haveria o PS de viabilizar um Governo de direita que teima em o excluir?

A excessiva pessoalização das campanhas tornou este cenário em algo de muito complicado. Acusações do tipo: mentiroso, Lobo-mau, e outras que tais devem estar ainda a queimar as orelhas. O desenlace deste cenário pode estar, não nas mãos de Costa, mas sim, nas mãos do PS sem António Costa como Secretário-Geral.

Ao afirmar que não seria maioria negativa, António Costa estava desde logo a abrir a possibilidade de estabelecer um acordo de Governo com os partidos à sua esquerda mas também a deixar aberta a porta para a direita. Não se inviabiliza um governo minoritário sem uma solução alternativa.

III.            O PS, o BE, e o PEV juntos somam 107 deputados. O PCP pode roer a corda mas dar o lugar ao PEV para entrar no Governo. Com ou sem PCP, é possível um Governo à esquerda (cenário X).



Consequência de um tão sui generis Governo seria a emancipação dos Verdes. A falta em Portugal de um verdadeiro eleitorado Ecologista do tipo Europeu levanta no entanto algumas dúvidas quanto ao futuro reservado ao PEV. O BE ficaria dependente do curso da Legislatura para solidificar a sua posição e o PCP ficaria sempre como o último reduto de escape para o descontentamento social, mais ou menos organizado, mas sem nunca retirar o tapete ao PS, como aconteceu em 2011. A Política portuguesa atingiria assim a sua maioridade.

Neste cenário poder-se-ia pensar no deputado do PAN. Desempata os 107 deputados da direita com os 107 deputados de PS, BE e PEV juntos. Este é o cenário mais exótico e depende sempre da vontade do PCP.

Se o objectivo é retirar o poder à direita, o PAN não tem hipóteses de dar a maioria à coligação PAF. Daí, nem o ter considerado graficamente.

Uma governação com a esquerda coligada é a solução que garante maior estabilidade política e social para os próximos quatro anos.


Se o PS viabilizar o Governo de direita pode ser o início do seu fim; o BE é quem tem mais a perder com a realização de eleições antecipadas. Um Governo minoritário de direita implica outro líder no PS, possivelmente o seu último líder. Ao BE e ao PCP só lhes resta uma hipótese: fazer parte da solução.


O Desaparecimento do PS significará, em primeiro lugar, uma perpetuação da direita no poder por muitos e muitos anos. Jerónimo de Sousa já afirmou por várias vezes: O PS só não forma Governo se não quiser, mas para isso precisa do PCP.

Caso, ainda assim, o Presidente insista em convidar a direita minoritária no Parlamento para formar Governo, tratar-se-á de uma pueril perda de tempo.

Neste momento de alta Política, os interesses da Politics são condicionados pela Polity, daí resultando a qualidade das Policies. Haja Políticos.